Laboratório de Nutrição
Direção

Destaque

grupo de 3 jovens em ambiente de laboratório

FMUL aposta em formação na área da nutrição com equipamento único e pioneiro no país

Foi com a premissa de investir na educação e na formação (académica e profissional) para aquisição de competências e aprendizagem ao longo da vida, que a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa adquiriu novos equipamentos para o Centro de Nutrição Avançada da FMUL.Sem perder de vista a inovação no ensino, que colocamos na vanguarda do futuro e da modernidade, pretende-se que a utilização dos novos equipamentos contribua determinantemente para a consolidação de novos e robustos programas de ensino superior na Licenciatura em Ciências da Nutrição, acreditada em 2017. Ver mais

 


Laboratório de Nutrição (LN) da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), dá as boas-vindas a todos os estudantes da FMUL e em particular aos estudantes da Licenciatura em Ciências da Nutrição.

Contamos com todos a partir de hoje e desejamos que seja um ano letivo repleto de sucessos académicos.

 

Não deixe de subscrever à Newstrition, no formulário abaixo:

Subscreva a nova Newsletter do Laboratório de Nutrição

* indicates required

 

 

O Laboratório de Nutrição, no enquadramento da missão da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL) e como unidade estrutural da FMUL, desenvolve a sua atividade em três eixos prioritários: Ensino, Investigação e Apoio à Comunidade.


Ensino

O LN é responsável pelo ensino de valências relacionadas com a Nutrição e áreas afins e pela investigação em 3 vertentes (clínica | epidemiológica | comunitária e saúde pública).

Destaque em particular para a coordenação do 1º ciclo de estudos em Ciências da Nutrição, com início de atividade letiva em 2018/19. Esta oferta formativa resulta da ação conjunta de três unidades estruturais da Universidade de Lisboa: A Faculdade de Medicina (promotora do projeto), a Faculdade de Motricidade Humana e a Faculdade de Farmácia, instituições de referência na área das Ciências da Saúde. Trata-se de um projeto único e inovador no âmbito das Ciências da Nutrição em Portugal, onde cada Faculdade contribui com o know-how específico e especializado nas áreas base de formação académica do Nutricionista.

Na área do ensino há ainda a destacar a coordenação do Mestrado em Nutrição Clínica (desde 2011), realizado em parceria com a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, bem como a participação no Mestrado Integrado em Medicina da FMUL e na Licenciatura em Ciências da Saúde da Universidade de Lisboa.

Ao nível do 3º ciclo (Doutoramento) está envolvido na Comissão Científica do Programa Doutoral em Saúde Ambiental.


Investigação

A investigação desenvolve-se na maioria das vezes em colaboração com outras instituições, nomeadamente Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte, unidades orgânicas da Universidade de Lisboa, mas também colaborações com instituições internacionais no âmbito de estudos internacionais e ensaios clínicos multicêntricos.

As principais áreas de investigação centram-se no reconhecimento da influência da nutrição e estado nutricional do indivíduo no desenvolvimento de doença (proteção ou fator de risco) bem como o conhecimento do possível efeito terapêutico da nutrição em diversos contextos clínicos, nomeadamente: na doença hepática, na infeção por VIH, na doença gastrenterológica, na doença autoimune, no cancro, e obesidade. De destacar ainda a investigação associada ao papel da alimentação e nutrição em outcomes clínicos ao longo do ciclo de vida (desde a conceção até à geriatria).


Apoio à Comunidade

O LN desenvolve diversas ações de apoio à comunidade, assumindo assim toda a responsabilidade institucional e social inerente a uma instituição de ensino público com é a FMUL. Desta forma, o apoio comunitário do LN incide em 3 alvos específicos: Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa e Comunidade Civil.

 

O Laboratório de Nutrição assenta a sua missão nos eixos estratégicos da missão da FMUL, com foco na formação de nutricionistas, o ensino e a investigação da Nutrição e das ciências essenciais à promoção da saúde, prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação da doença, através da criação, transmissão e difusão de ciência, tecnologia e cultura, no respeito pela liberdade intelectual e pela ética, reconhecimento do mérito e sentido de serviço à comunidade com ligação direta com a alimentação e nutrição.

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

Nutricionista, ao exercício de nutrição clínica desde 2005 em atividade assistencial nos regimes ambulatório e hospitalar. Especial interesse nas áreas da nutrição aplicada à nefrologia, medicina intensiva e gastrenterologia, tendo várias publicações com arbitragem científica a nível nacional e internacional, e comunicações orais em eventos científicos. Neste contexto participa em várias linhas de investigação. Investigadora integrada da Unidade de Investigação Comprehensive Health Research Centre –Investigação, Educação e Inovação em Investigação Clínica e Saúde Publica da Fundação para Ciência e Tecnologia. Doutorada em Ciências da Vida, ramo de Investigação Clínica, pela Nova Medical School | Faculdade de Ciências Médicas, na área de avaliação nutricional na doença hepática nos períodos pré- e pós-transplante. Exerce atividade pedagógica desde 2007; atualmente como Professora Auxiliar Convidada da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa no ensino pré-graduado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e pós-graduado (Mestrado em Nutrição Clínica).

Nutricionista (0730N), mestre em Doenças Metabólicas e Comportamento Alimentar, tendo realizado um estudo para a sua tese sobre auto-regulação e comportamento alimentar na cirurgia bariátrica. Está atualmente a terminar o doutoramento no ramo de Ciências e Tecnologias da Saúde, especialidade de Nutrição na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Nesta faculdade tem colaborado como investigadora no Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública desde 2014, e no Instituto de Saúde Ambiental. Foi coordenadora executiva do projeto Portuguese Elderly Nutritional Status Surveillance System (PEN-3S). Este projeto foi promovido pela FMUL e financiado pelo Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (EEA Grants), e teve como principal objetivo estudar o estado nutricional dos Portugueses com 65 ou mais anos. Iniciou o doutoramento na sequência deste trabalho, tendo focado a sua investigação nos últimos anos na área da nutrição e envelhecimento. Tem trabalhado também como nutricionista clínica, em empresas, hospitais e clínicas, e na área da segurança alimentar. Leciona aulas sobre envelhecimento e nutrição a alunos de licenciatura e mestrado na FMUL desde 2016. Atualmente é docente na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril em unidades curriculares na área da nutrição, e assistente convidada na FMUL.

Doutor em Ciências da Vida, ramo de Investigação Clínica, Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Nutrição Clínica, Universidade Autónoma de Barcelona. Licenciatura pela Escola Superior da Tecnologia da Saúde de Lisboa. Certificação Europeia em Nutrição Clínica, European Diploma in Clinical Nutrition and Metabolism, TTT - Teach the Teachers - Course of ESPEN organization. Sociedades científicas: ESPEN (European Society of Clinical Nutrition), APNEP (Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica), SPEO (Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade), SPEDM (Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo) e NGHD (Núcleo de Gastrenterologia dos Hospitais Distritais). Nutricionista do Hospital Garcia de Orta. Professora universitária na Faculdade de Medicina de Lisboa e na Escola Superior Tecnologia da Saúde de Lisboa. Várias publicações em revistas nacionais e internacionais. Comunicações em reuniões nacionais e internacionais.

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

Nutricionista desde 2001, licenciou-se em Dietética pela Escola Superior de Tecnologia de Saúde de Lisboa (ESTeSL). Mais tarde, em 2018, conclui o mestrado em Qualidade e Segurança Alimentar em Restauração, pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), com a tese "Conhecimentos, atitudes e práticas de higiene e segurança alimentar. Um estudo de caso: profissionais de saúde de um hospital universitário".

Possui certificação em boas práticas clínicas e é pós-graduada em "Monitorização em ensaios clínicos", pela Universidade Lusófona (2019).

Em 2001 iniciou funções no Serviço de Dietética e Nutrição (SDN) do Hospital de Santa Maria, Lisboa (CHULN, EPE) onde, em 2010, assume funções de Sub-coordenação do serviço e de Gestão da Qualidade.

Desde março de 2019, integra a equipa do Gabinete de Apoio à Investigação Cardiovascular (GAIC), com funções de GAIC Chief Coordinator, um departamento da Associação para a Investigação e Desenvolvimento da Faculdade de Medicina (AIDFM), integrado no Centro Académico de Medicina de Lisboa (CAML).

Licenciada em Ciências da Nutrição e Mestre em Nutrigenómica e Nutrição Personalizada. Professora assistente convidada na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e professora auxiliar convidada no Instituto Universitário Egas Moniz. Exerce a função de diretora do departamento de nutrição da Fresenius Medical Care Portugal, desde 2012. Co-autora do Manual de Nutrição e Doença Renal (Associação Portuguesa de Nutrição) e do livro Alimentação & Insuficiência Renal – Guia Prático de Nutrição (Fresenius Medical Care). Encontra-se a realizar o projeto de doutoramento na Faculdade de Medicina de Lisboa – Ramo Nutrição intitulado Padrões alimentares, composição corporal e atividade física: evolução do estado de saúde de doentes em hemodiálise. Tem desenvolvido e coordenado projetos de investigação na área de nutrição na doença renal crónica, avaliação do estado nutricional e composição corporal.

Nutricionista membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas – Cédula Profissional 0779N. Licenciatura em Dietética e Nutrição pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Mestrado em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina de Lisboa/Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Tema de dissertação: Estado Nutricional, Qualidade de Vida e Atividade Física em crianças e adolescentes com Doença de Crohn.
Sócia de várias sociedades nacionais e europeias da área da nutrição nomeadamente: Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica e European Society for Clinical Nutrition and Metabolism. 
Membro do grupo de trabalho de Nutrição Pediátrica da Comissão de Nutrição Clínica da Ordem dos Nutricionistas

Nutricionista, mestre em dietética e nutrição (FMUL, 2011) e doutorada em Motricidade Humana, Ramo Atividade Física e Saúde (FMH-UL, 2017). É investigadora no Grupo de Investigação Self-Regulation in Physical Activity, Nutrition and Obesity (PANO-SR), CIPER, Faculdade de Motricidade Humana (UL), professora auxiliar convidada na FMUL e professora convidada na Faculdade de Educação Física e Desporto da Universidade Lusófona. Tem desenvolvido a sua atividade na área da autorregulação dos comportamentos de saúde, nomeadamente para a perda e manutenção do peso (atividade física e alimentação). Além disso, o seu trabalho tem contribuído para uma melhor compreensão das tentativas de gestão do peso em adultos em todo o mundo. É autora de 13 publicações em revistas científicas, 3 publicações em edições especiais, 1 capítulo de livro, 1 relatório científico e contribuiu para 31 resumos/apresentações em conferências científicas – Scopus h-index de 7. Atualmente, é coordenadora da intervenção NoHoW em Portugal (EC: H2020-PHC-2014 SEP- 210140063), um estudo randomizado controlado multicêntrico 2x2 que pretende investigar um conjunto de ferramentas digitais baseadas na evidência para a manutenção do peso perdido em adultos europeus. É ainda coordenadora do Registo Nacional de Controlo do Peso (PTDC / DES / 72317/2006, 2008-2011), um registo nacional voluntário de indivíduos adultos com sucesso na redução estável do peso. Em 2017 ganhou o Prémio Mérito Jovem Nutricionista atribuído pela Ordem dos Nutricionistas e integrou o Comité de Comunicações da International Society of Behavioral Nutrition and Physical Activity (ISBNPA).

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

Licenciado Ciências da Nutrição, Mestre em Nutrição Clínica e Doutor em Doenças Metabólicas e Comportamento Alimentar. 

Nutricionista do Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo do Hospital de Santa Maria, CHLN e dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa. 

Professor Auxiliar Convidado da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e do Instituto Universitário Egas Moniz. 

Vogal da Direção e responsável pelo Departamento de Especialidades da Ordem dos Nutricionistas. 

Tem intervenções regulares em reuniões científicas e publicações, a nível nacional e internacional. 

Doutorada em Nutrição (2016) pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), mestre em Medicina pela FMUL (2018) e licenciada em Dietética e Nutrição pela FMUL (2008).

Interna de Formação Geral no Hospital Garcia de Orta, Professora Auxiliar Convidada na Licenciatura em Ciências da Nutrição da FMUL e membro da equipa de investigação do Instituto de Medina Preventiva e Saúde Pública da FMUL. Exerce ainda funções pedagógicas no Curso de Formação Avançada “Nutrição em Pediatria” da Universidade Católica Portuguesa.

Trabalhou como Nutricionista Clínica no Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa (2013-2017) e colaborou na coordenação científica dos projetos COSI-Portugal (2010-2013), Municípios Saúde Infantil (2011-2013) e Projeto Obesidade Zero (2009-2010), tendo ganho neste âmbito, o Prémio Hospital do Futuro 2011/2012 na categoria autarquias, o Nutrition Awards 2010 na categoria de Saúde Pública e o Prémio de Apoio à Investigação 2009 da Fundação AstraZeneca. Colaborou ainda na Divisão da Plataforma contra a Obesidade da Direcção-Geral da Saúde (2008-2009) e estagiou na Direção Nacional de Saúde Pública de Angola (2007) em dois programas da UNICEF ao nível da abordagem da desnutrição infantil e na Iniciativa Hospital Amigo da Criança (2007).

Tem publicações em revistas científicas nacionais e internacionais e é palestrante em conferências nacionais.

Mestre em Biotecnologia - Engenharia Bioquímica, licenciado em Engenharia Biotecnológica, tem uma diversificada formação complementar realizada em Portugal e no estrangeiro. Atualmente, é Diretor-Geral da FIPA – Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, Secretário-Geral de quatro associações setoriais (AFLOC, ANID, ANIGOM, ANIMAC), Membro do Comité de Diretores Gerais da FoodDrinkEurope, Membro do Board da AIBI (Association Internationale de la Boulangerie Industrielle), bem como Docente na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (no âmbito do Mestrado em Qualidade Alimentar e Saúde), Docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa ( no âmbito da Licenciatura em Ciências da Nutrição), Representante nacional no SPES/GEIE – Spread European Safety, é ainda autor de várias publicações na imprensa escrita e Júri de vários concursos de inovação alimentar.

Licenciada em Dietética e Nutrição, Mestre em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa/ ESTeSL, Membro Colaborador a tempo parcial do Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, exerce a função de nutricionista no Hospital de Santa Maria na área de nutrição clinica, com interesse em avaliação do estado nutricional, relação entre estado nutricional e função imunitária, dieta mediterrânica e padrões alimentares em patologia hepática e patologia infeciosa. 

Investigadora convidada no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), e consultora de Business Intelligence e gestão de dados com especial interesse na área da Saúde. A completar um Mestrado em Bioestatística na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), Mestre em 'Forest and Nature Conservation' (Wageningen University, Holanda) e licenciada em Biologia na FCUL.

Investigador convidado no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Assistente convidado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e Docente convidado (Licenciatura em Ciências da Saúde, Mestrado em Nutrição Clínica, Mestrado em Reabilitação Cardiovascular e Mestrado Integrado em Medicina) na FMUL. Mestrando em Nutrição Clínica na FMUL/ Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) e Licenciado em Dietética e Nutrição pela ESTeSL.

Investigadora convidada no projeto Sintra Cresce Saudável no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Assistente convidada na licenciatura em Ciências da Nutrição. Membro efetivo da ordem dos Nutricionistas nº 3916N. Licenciada pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Autora e coautora de comunicações e publicações científicas.

Investigadora principal e gestora do projeto Sintra Cresce Saudável, no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Professora Assistente, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Mestre em Saúde Pública, pela Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa (ENSP-UNL) e licenciada em Dietética e Nutrição, pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL).

Nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº 4212N. Investigadora convidada no projeto Sintra Cresce Saudável no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e formadora certificada no Instituto do Emprego e Formação Profissional, desde 2019. Mestranda em Saúde Pública na Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa (desde 2019) e licenciada em Dietética e Nutrição pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (desde 2018).

INTERNACIONAIS | Consórcios Europeus

Consórcio europeu cujo objetivo incide na criação de uma organização europeia multidisciplinar, incluindo grupos de investigação individuais ou centros estabelecidos, dispostos a realizar investigação na área da doença hepática alcoólica. site

Membros

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

INTERNACIONAIS | Ensaios Clínicos

Ensaio clínico de fase 3, multicêntrico com o objetivo de confirmar a eficácia e segurança do tratamento com cenicriviroc no tratamento da fibrose em doentes com esteato-hepatite não alcoólica. site

Membros

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

Trata-se de um ensaio clínico multicêntrico com o objetivo de avaliar a segurança e tolerabilidade do Yaq-001 ao longo de 3 meses de tratamento em indivíduos cirróticos com ascite respondedora aos diuréticos. Tem ainda como objetivo avaliar as alterações de endotoxémia, função dos órgãos e estado nutricional. site

Membros

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

Investigador convidado no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Assistente convidado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e Docente convidado (Licenciatura em Ciências da Saúde, Mestrado em Nutrição Clínica, Mestrado em Reabilitação Cardiovascular e Mestrado Integrado em Medicina) na FMUL. Mestrando em Nutrição Clínica na FMUL/ Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) e Licenciado em Dietética e Nutrição pela ESTeSL.

Ensaio clínico de fase 3, multicêntrico com o objetivo de avaliar o efeito do tratamento com ácido obeticólico comparativamente com um placebo na melhoria histológica e nos outcomes clínicos relacionados com o fígado em doentes com esteato-hepatite não alcoólica com fibrose. site

Membros

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

Ensaio clínico de fase 3, multicêntrico com o objetivo de avaliar o efeito do tratamento com elafibranor comparativamente com um placebo na melhoria histológica, na mortalidade por todas as causas e nos outcomes clínicos relacionados com o fígado em doentes com esteato-hepatite não alcoólica e fibrose. site

Membros

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

INTERNACIONAIS | Estudos Observacionais

Trata-se de um estudo multicêntrico com o objetivo de construir uma coorte de doentes com histologia de Fígado Gordo Não Alcoólico (comprovada por biópsia) com colheita de amostras biológicas para avaliação fisiopatológica e validação de biomarcadores. A antropometria e o estilo de vida (álcool, alimentação e atividade física) são objetivo de avaliação na amostra em estudo. site

Membros

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

Licenciada em Dietética e Nutrição, Mestre em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa/ ESTeSL, Membro Colaborador a tempo parcial do Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, exerce a função de nutricionista no Hospital de Santa Maria na área de nutrição clinica, com interesse em avaliação do estado nutricional, relação entre estado nutricional e função imunitária, dieta mediterrânica e padrões alimentares em patologia hepática e patologia infeciosa. 

Investigador convidado no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Assistente convidado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e Docente convidado (Licenciatura em Ciências da Saúde, Mestrado em Nutrição Clínica, Mestrado em Reabilitação Cardiovascular e Mestrado Integrado em Medicina) na FMUL. Mestrando em Nutrição Clínica na FMUL/ Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) e Licenciado em Dietética e Nutrição pela ESTeSL.

Projeto europeu cujo objetivo incide na criação de um registo multicêntrico e multi-disciplinar europeu de casos de “drug induced liver disease (DILI)”, ou seja de hepatopatia medicamentosa, obtidos de forma prospetiva. site

Membros

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

Estudo com o objetivo de caracterização o impacto das mutações do co transportador sódio-glucose (SGLT2) no transporte renal de glicose. O limiar renal para excreção de glicose é determinado numa coorte de doentes com glicosúria renal familiar, submetidos a um teste de tolerância a refeição mista, durante o qual a glicémia e a excreção de glicose urinária são medidas por um período de 4 horas, de acordo com um protocolo validado.

Membros

Nutricionista, ao exercício de nutrição clínica desde 2005 em atividade assistencial nos regimes ambulatório e hospitalar. Especial interesse nas áreas da nutrição aplicada à nefrologia, medicina intensiva e gastrenterologia, tendo várias publicações com arbitragem científica a nível nacional e internacional, e comunicações orais em eventos científicos. Neste contexto participa em várias linhas de investigação. Investigadora integrada da Unidade de Investigação Comprehensive Health Research Centre –Investigação, Educação e Inovação em Investigação Clínica e Saúde Publica da Fundação para Ciência e Tecnologia. Doutorada em Ciências da Vida, ramo de Investigação Clínica, pela Nova Medical School | Faculdade de Ciências Médicas, na área de avaliação nutricional na doença hepática nos períodos pré- e pós-transplante. Exerce atividade pedagógica desde 2007; atualmente como Professora Auxiliar Convidada da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa no ensino pré-graduado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e pós-graduado (Mestrado em Nutrição Clínica).

NACIONAIS | Ensaios Clínicos

A obstipação é uma condição clínica muito frequente na sociedade atual, apresentando uma prevalência elevada na população idosa. Este ensaio clínico simples de intervenção pretende conhecer qual o efeito na sintomatologia gastrointestinal da suplementação de fibra 100% solúvel numa população de idosos institucionalizados.

Membros

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

Pode a modulação da barreira intestinal através de fatores externos modificáveis influenciar o decurso de doenças com inflamação crónica, nomeadamente as doenças inflamatórias intestinais? Para tentar responder a esta questão desenvolvemos um ensaio clínico não randomizado, cujo objetivo principal é estudar o efeito da ingestão de componentes alimentares na permeabilidade intestinal, perfil inflamatório e sintomatologia gastrointestinal de indivíduos com doença inflamatória do intestino.

Membros

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

 

NACIONAIS | Estudos de Intervenção

A intervenção terapêutica na obesidade infantil deve incluir, desde o início do acompanhamento, a determinação de objetivos a alcançar de modo a aumentar a motivação do utente. Neste estudo pretende-se avaliar a eficácia da abordagem em consulta de nutrição com a aplicação de um protocolo comportamental no tratamento de pré-obesidade e obesidade infantil.

Membros

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

Nutricionista membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas – Cédula Profissional 0779N. Licenciatura em Dietética e Nutrição pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Mestrado em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina de Lisboa/Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Tema de dissertação: Estado Nutricional, Qualidade de Vida e Atividade Física em crianças e adolescentes com Doença de Crohn.
Sócia de várias sociedades nacionais e europeias da área da nutrição nomeadamente: Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica e European Society for Clinical Nutrition and Metabolism. 
Membro do grupo de trabalho de Nutrição Pediátrica da Comissão de Nutrição Clínica da Ordem dos Nutricionistas

A evidência mostra que crianças e adolescentes com obesidade que adotaram uma dieta mediterrânica (DM) melhoraram o seu perfil nutricional e metabólico. Apesar dos reconhecidos benefícios da DM para a saúde, tem-se observado uma diminuição na adesão ao PAM, particularmente nas idades mais jovens, com um incremento no consumo de gordura saturada, açúcares simples e alimentos processados. Neste estudo pretende-se avaliar o impacto de uma intervenção alimentar e nutricional em contexto escolar na adesão ao PAM de crianças de 1ºciclo do ensino básico.

Membros

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

Investigadora principal e gestora do projeto Sintra Cresce Saudável, no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Professora Assistente, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Mestre em Saúde Pública, pela Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa (ENSP-UNL) e licenciada em Dietética e Nutrição, pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL).

Os lanches contribuem significativamente para a ingestão de energia e nutrientes, sendo considerados uma parte fundamental de uma dieta saudável. Quando estes são nutricionalmente adequados, trazem benefícios para a saúde das crianças, incluindo regulação do apetite, melhoria da memória e concentração. Porém, quando têm alto valor energético, podem aumentar o risco de desenvolvimento de obesidade. Assim, a quantidade e a qualidade dos alimentos consumidos em meio escolar poderão ter um impacto considerável na saúde das crianças. Neste estudo pretende avaliar-se o impacto da implementação de uma política de lanches escolares gratuitos em crianças do 1º ciclo do ensino básico ao nível do aporte energético e nutricional.

Membros

Investigadora principal e gestora do projeto Sintra Cresce Saudável, no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Professora Assistente, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Mestre em Saúde Pública, pela Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa (ENSP-UNL) e licenciada em Dietética e Nutrição, pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL).

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

O Sintra Cresce Saudável é um projeto de intervenção participada de base comunitária para a promoção de estilos de vida saudáveis, dirigido a crianças do 1º ciclo do ensino básico. Integra ciclos de avaliação – planeamento – interação visando promover uma melhor saúde alimentar das crianças e prevenir a obesidade infantil, com o desejo de uma vida mais saudável para as crianças do Município de Sintra. Este projeto tem como objetivos principais desenvolver um modelo de intervenção de promoção de estilos de vida saudáveis em contexto escolar, avaliar o seu impacto e disseminar o modelo de intervenção.

Membros

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

Investigadora principal e gestora do projeto Sintra Cresce Saudável, no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Professora Assistente, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Mestre em Saúde Pública, pela Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa (ENSP-UNL) e licenciada em Dietética e Nutrição, pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL).

Investigadora convidada no projeto Sintra Cresce Saudável no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Assistente convidada na licenciatura em Ciências da Nutrição. Membro efetivo da ordem dos Nutricionistas nº 3916N. Licenciada pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Autora e coautora de comunicações e publicações científicas.

Nutricionista, membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas nº 4212N. Investigadora convidada no projeto Sintra Cresce Saudável no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e formadora certificada no Instituto do Emprego e Formação Profissional, desde 2019. Mestranda em Saúde Pública na Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa (desde 2019) e licenciada em Dietética e Nutrição pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (desde 2018).

Pretende-se correlacionar a gravidade da doença hepática com recurso aos scores Child-Pugh e MELD-Na, avaliação da capacidade funcional com a aplicação da escala ECOG Performance Status e avaliação clínica e nutricional com recurso a avaliação global subjetiva, parâmetros antropométricos (Peso - antes da paracentese e pós paracentese, prega cutânea tricipital e circunferência braquial), dinamometria e valores laboratoriais. Esta avaliação é feita na primeira consulta, 4 e 8 semanas após.

Membros

Doutor em Ciências da Vida, ramo de Investigação Clínica, Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Nutrição Clínica, Universidade Autónoma de Barcelona. Licenciatura pela Escola Superior da Tecnologia da Saúde de Lisboa. Certificação Europeia em Nutrição Clínica, European Diploma in Clinical Nutrition and Metabolism, TTT - Teach the Teachers - Course of ESPEN organization. Sociedades científicas: ESPEN (European Society of Clinical Nutrition), APNEP (Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica), SPEO (Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade), SPEDM (Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo) e NGHD (Núcleo de Gastrenterologia dos Hospitais Distritais). Nutricionista do Hospital Garcia de Orta. Professora universitária na Faculdade de Medicina de Lisboa e na Escola Superior Tecnologia da Saúde de Lisboa. Várias publicações em revistas nacionais e internacionais. Comunicações em reuniões nacionais e internacionais.

 

NACIONAIS | Estudos Observacionais

 Existe uma forte evidência de que o excesso ponderal, consumo de bebidas alcoólicas e produtos alimentares preservados em sal são fatores de risco para cancro gástrico. Para limitar a progressão da metaplasia intestinal a modificação do padrão alimentar poderá ser uma estratégia efetiva e não invasiva. Neste estudo pretende-se avaliar a associação entre a presença e severidade da metaplasia intestinal e a adesão à Dieta Mediterrânica, com expectativa que os resultados permitam servir de base a um aconselhamento consistente ao nível dos estilos de vida em indivíduos com metaplasia intestinal.

Membros

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

Estudo observacional, retrospetivo com o objetivo de avaliar as alterações do estado nutricional ao longo de 4 anos de seguimento em crianças e adolescentes com diagnóstico de fibrose quística.

Membros

Nutricionista membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas – Cédula Profissional 0779N. Licenciatura em Dietética e Nutrição pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Mestrado em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina de Lisboa/Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Tema de dissertação: Estado Nutricional, Qualidade de Vida e Atividade Física em crianças e adolescentes com Doença de Crohn.
Sócia de várias sociedades nacionais e europeias da área da nutrição nomeadamente: Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica e European Society for Clinical Nutrition and Metabolism. 
Membro do grupo de trabalho de Nutrição Pediátrica da Comissão de Nutrição Clínica da Ordem dos Nutricionistas

Trabalhar as Food Skills durante a infância parece revelar-se de extrema importância. A participação das crianças na preparação e confeção das refeições familiares pode contribuir para uma melhor relação com alimentos saudáveis e também na melhoria dos hábitos alimentares. As crianças apresentam uma maior tendência para experimentar novos alimentos quando envolvidas na preparação das refeições, comparativamente a quando estas lhes são apresentadas apenas no prato. É necessário conhecer as competências alimentares das crianças para o planeamento estruturado da intervenção. Neste estudo pretende conhecer-se e caracterizar competências alimentares de crianças do 1ºciclo do ensino básico e respetivas famílias.

Membros

Investigadora principal e gestora do projeto Sintra Cresce Saudável, no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Professora Assistente, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Mestre em Saúde Pública, pela Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa (ENSP-UNL) e licenciada em Dietética e Nutrição, pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL).

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

 A adoção de um padrão alimentar mediterrânico por parte da população com artrite reumatoide, em comparação com um padrão alimentar ocidental, parece diminuir a atividade inflamatória da doença e a sua sintomatologia. Neste estudo pretende-se conhecer de forma pormenorizada o estado nutricional e o padrão alimentar dos doentes com artrite reumatóide, e a forma como ambos influenciam o comportamento da doença.

Membros

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

O ganho de peso e adoção de hábitos alimentares adequados durante a gravidez estão associados a um melhor desfecho materno, fetal e no recém-nascido, diminuindo também a probabilidade de complicações no parto. A avaliação do estado nutricional e a adequação do peso, bem como a correção e/ou orientação dos hábitos alimentares podem beneficiar a saúde da mãe, do recém-nascido após o parto, e da futura criança. Neste estudo pretende-se começar o caminho para relacionar a evolução ponderal, o estado nutricional, os hábitos alimentares e os parâmetros metabólicos da mulher grávida com características clínicas do parto e do recém-nascido. Pretende-se iniciar o caminho para que futuramente seja criada uma coorte de acompanhamento.

Membros

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

Investigadora convidada no projeto Sintra Cresce Saudável no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Assistente convidada na licenciatura em Ciências da Nutrição. Membro efetivo da ordem dos Nutricionistas nº 3916N. Licenciada pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Autora e coautora de comunicações e publicações científicas.

Estudo observacional com os seguintes objetivos: 1) Verificar a prevalência de FGNA; 2) Avaliar o estado nutricional dos doentes com infeção por VIH e FGNA; 3) Caracterizar a ingestão alimentar dos doentes com infeção por VIH e FGNA; 4) Comparar as características dos doentes (gravidade da doença hepática e fatores de risco associados) com infeção por VIH e FGNA com uma população de doentes com diagnóstico de FGNA seguida em consulta multidisciplinar; 5) Avaliar o risco cardiovascular.

Membros

Licenciada em Dietética e Nutrição, Mestre em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa/ ESTeSL, Membro Colaborador a tempo parcial do Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, exerce a função de nutricionista no Hospital de Santa Maria na área de nutrição clinica, com interesse em avaliação do estado nutricional, relação entre estado nutricional e função imunitária, dieta mediterrânica e padrões alimentares em patologia hepática e patologia infeciosa. 

Estudo observacional, longitudinal com o objetivo de comparar os resultados obtidos com a aplicação de diferentes ferramentas de identificação do risco nutricional em crianças com Paralisia Cerebral com idade superior a 1 mês e inferior a 18 anos.

Membros

Nutricionista membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas – Cédula Profissional 0779N. Licenciatura em Dietética e Nutrição pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Mestrado em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina de Lisboa/Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Tema de dissertação: Estado Nutricional, Qualidade de Vida e Atividade Física em crianças e adolescentes com Doença de Crohn.
Sócia de várias sociedades nacionais e europeias da área da nutrição nomeadamente: Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica e European Society for Clinical Nutrition and Metabolism. 
Membro do grupo de trabalho de Nutrição Pediátrica da Comissão de Nutrição Clínica da Ordem dos Nutricionistas

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

Trata-se de um estudo de coorte com o objetivo de analisar o impacto da sarcopénia na gravidade da cirrose hepática e do carcinoma hepatocelular. É também alvo de avaliação neste estudo, o padrão alimentar e o estado nutricional.

Membros

Investigador convidado no Laboratório de Nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Assistente convidado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e Docente convidado (Licenciatura em Ciências da Saúde, Mestrado em Nutrição Clínica, Mestrado em Reabilitação Cardiovascular e Mestrado Integrado em Medicina) na FMUL. Mestrando em Nutrição Clínica na FMUL/ Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) e Licenciado em Dietética e Nutrição pela ESTeSL.

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

Nutricionista desde 2001. PhD em Saúde Pública (ramo de nutrição). Professora Auxiliar na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Laboratório de Nutrição) e Vogal da Direção da Ordem dos Nutricionistas desde 2012. Entre 2001 e 2017 foi Professora na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (área científica de dietética). Desde 2011 que é Professora convidada na Escola Nacional de Saúde Pública | UNL.

Membro da Unidade de Investigação FCT - Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Autora e coautora de publicações e comunicações científicas nacionais e internacionais com predominância na temática da saúde pública e nutrição e membro de comissão organizadora e/ou cientifica de vários eventos científicos nacionais e internacionais na área da nutrição. Integra e integrou projetos nacionais e europeus financiados. 

Médica especialista em Gastrenterologia, tem particular interesse em Hepatologia, na área do Fígado Gordo alcoólico e não-alcoólico, assim como em Saúde Publica. Estas áreas têm uma forte relação com a Nutrição, que é a outra área na qual tem tido especial interesse. É Professora Catedrática de Medicina na Faculdade de Medicina de Lisboa, desde 2017. A sua atividade inclui o ensino Pré e Pós-Graduado, coordenação de um Mestrado de Nutrição Clínica, assim como de uma Disciplina em Nutrição do Mestrado Integrado em Medicina. Colabora também numa Disciplina Dietética e Nutrição da Licenciatura em Ciências da Saúde. É Diretora da Unidade de Hepatologia do Departamento de Gastrenterologia do Hospital de Santa Maria, bem como do Laboratório de Nutrição e da Clínica Universitária de Gastrenterologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. É Conselheira política para os assuntos da UE da EASL desde Abril de 2016, dedicando-se aos assuntos relacionados com fatores de risco, incluindo políticas relacionadas com os alimentos e com o álcool. A Professora Helena Cortez-Pinto foi presidente da Associação Portuguesa para o estudo do Fígado. (Junho 2013-Junho 2015). É editora associada do Liver International e membro do “Editorial Board” do Journal of Hepatology. Publicou mais de cem artigos científicos em revistas em que se incluem o JAMA, Gastroenterology, Hepatology, Journal of Hepatology e Liver International.

Estudo observacional, prospetivo com o objetivo de avaliar a evolução ponderal e marcadores de severidade de doença após intervenção no estilo de vida, com promoção da adesão à dieta mediterrânica e aumento da atividade física em doentes com diagnóstico de Fígado Gordo Não Alcoólico.

Membros

Licenciada em Dietética e Nutrição, Mestre em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa/ ESTeSL, Membro Colaborador a tempo parcial do Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, exerce a função de nutricionista no Hospital de Santa Maria na área de nutrição clinica, com interesse em avaliação do estado nutricional, relação entre estado nutricional e função imunitária, dieta mediterrânica e padrões alimentares em patologia hepática e patologia infeciosa. 

Estudo observacional, retrospetivo com o objetivo de avaliar a contribuição da Nutrição Entérica Exclusiva na indução da remissão da apresentação inaugural ligeira a moderada da Doença de Crohn em crianças e adolescentes (até aos 18 anos).

Membros

Nutricionista membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas – Cédula Profissional 0779N. Licenciatura em Dietética e Nutrição pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Mestrado em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina de Lisboa/Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Tema de dissertação: Estado Nutricional, Qualidade de Vida e Atividade Física em crianças e adolescentes com Doença de Crohn.
Sócia de várias sociedades nacionais e europeias da área da nutrição nomeadamente: Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica e European Society for Clinical Nutrition and Metabolism. 
Membro do grupo de trabalho de Nutrição Pediátrica da Comissão de Nutrição Clínica da Ordem dos Nutricionistas

O Projeto PEN-3S - Portuguese Elderly Nutritional Status Surveillance System promovido pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em parceria com outras instituições, e teve como investigador principal o Prof. Doutor João Gorjão Clara. A execução do projeto foi financiada pelo Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu 2009-2014 (EEA Grants) entre abril de 2015 e dezembro de 2016, através do Programa Iniciativas em Saúde Pública operado pela Administração Central do Sistema de Saúde. Os objetivos gerais foram: (a) caracterizar o estado nutricional, o consumo alimentar, a função cognitiva, o estado funcional, os sintomas de depressão e os sentimentos de solidão da população com 65 ou mais anos a residir em Portugal em Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI) e na comunidade (b) identificar variáveis demográficas, de saúde e psicossociais associadas a desnutrição nesta população (c) desenvolver e avaliar a sensibilidade e especificidade de um sistema eletrónico de vigilância de risco nutricional, ao nível dos cuidados de saúde primários e ERPI. O projeto ganhou o Prémio Arnaldo Sampaio (Saúde Pública) em 2018.

Membros

Nutricionista (0730N), mestre em Doenças Metabólicas e Comportamento Alimentar, tendo realizado um estudo para a sua tese sobre auto-regulação e comportamento alimentar na cirurgia bariátrica. Está atualmente a terminar o doutoramento no ramo de Ciências e Tecnologias da Saúde, especialidade de Nutrição na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). Nesta faculdade tem colaborado como investigadora no Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública desde 2014, e no Instituto de Saúde Ambiental. Foi coordenadora executiva do projeto Portuguese Elderly Nutritional Status Surveillance System (PEN-3S). Este projeto foi promovido pela FMUL e financiado pelo Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu (EEA Grants), e teve como principal objetivo estudar o estado nutricional dos Portugueses com 65 ou mais anos. Iniciou o doutoramento na sequência deste trabalho, tendo focado a sua investigação nos últimos anos na área da nutrição e envelhecimento. Tem trabalhado também como nutricionista clínica, em empresas, hospitais e clínicas, e na área da segurança alimentar. Leciona aulas sobre envelhecimento e nutrição a alunos de licenciatura e mestrado na FMUL desde 2016. Atualmente é docente na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril em unidades curriculares na área da nutrição, e assistente convidada na FMUL.

Estudo observacional, prospetivo com o objetivo de avaliar a evolução da qualidade de vida no primeiro ano de diagnóstico de infeção por VIH e a relação com o estado nutricional.

 

Membros

Licenciada em Dietética e Nutrição, Mestre em Nutrição Clínica pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa/ ESTeSL, Membro Colaborador a tempo parcial do Instituto de Saúde Ambiental da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, exerce a função de nutricionista no Hospital de Santa Maria na área de nutrição clinica, com interesse em avaliação do estado nutricional, relação entre estado nutricional e função imunitária, dieta mediterrânica e padrões alimentares em patologia hepática e patologia infeciosa. 

Estudo de coorte, cujos principais objetivos são a avaliação longitudinal (antes e após (curto prazo) transplante hepático) em indivíduos com doença hepática crónica do estado de nutrição e estado metabólico. Com esta caracterização pretende-se, ainda, identificar os indicadores do perfil da evolução do metabolismo energético e da evolução da composição corporal. Para o efeito são medidos longitudinalmente o suprimento nutricional, metabolismo energético, antropometria, composição corporal e força muscular.

Membros

Nutricionista, ao exercício de nutrição clínica desde 2005 em atividade assistencial nos regimes ambulatório e hospitalar. Especial interesse nas áreas da nutrição aplicada à nefrologia, medicina intensiva e gastrenterologia, tendo várias publicações com arbitragem científica a nível nacional e internacional, e comunicações orais em eventos científicos. Neste contexto participa em várias linhas de investigação. Investigadora integrada da Unidade de Investigação Comprehensive Health Research Centre –Investigação, Educação e Inovação em Investigação Clínica e Saúde Publica da Fundação para Ciência e Tecnologia. Doutorada em Ciências da Vida, ramo de Investigação Clínica, pela Nova Medical School | Faculdade de Ciências Médicas, na área de avaliação nutricional na doença hepática nos períodos pré- e pós-transplante. Exerce atividade pedagógica desde 2007; atualmente como Professora Auxiliar Convidada da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa no ensino pré-graduado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e pós-graduado (Mestrado em Nutrição Clínica).

Com este estudo pretende-se avaliar a frequência de fatores de risco para Síndrome de Realimentação (SR) prévio ao início de nutrição artificial, segundo critérios de NICE. Avaliar a prevalência de alterações, nomeadamente hipofosfatémia, hipomagnesemia e hipocaliémia e o seu impacto na evolução clínica quanto à duração do internamento e mortalidade. Neste contexto, a ocorrência de SR será definida pelo aparecimento de novo de hipofosfatémia isolada e/ou associada a hipomagnesémia e/ou hipocaliémia, clinicamente evidente ou assintomática, na ausência de outras causas aparentes para estas alterações iónicas. De acordo com os achados e para efeitos comparativos serão identificados dois grupos, com e sem SR.

Membros

Doutor em Ciências da Vida, ramo de Investigação Clínica, Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Nutrição Clínica, Universidade Autónoma de Barcelona. Licenciatura pela Escola Superior da Tecnologia da Saúde de Lisboa. Certificação Europeia em Nutrição Clínica, European Diploma in Clinical Nutrition and Metabolism, TTT - Teach the Teachers - Course of ESPEN organization. Sociedades científicas: ESPEN (European Society of Clinical Nutrition), APNEP (Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica), SPEO (Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade), SPEDM (Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo) e NGHD (Núcleo de Gastrenterologia dos Hospitais Distritais). Nutricionista do Hospital Garcia de Orta. Professora universitária na Faculdade de Medicina de Lisboa e na Escola Superior Tecnologia da Saúde de Lisboa. Várias publicações em revistas nacionais e internacionais. Comunicações em reuniões nacionais e internacionais.

Estudo com o objetivo de caracterização o impacto das mutações do co transportador sódio-glucose (SGLT2) no transporte renal de glicose. O limiar renal para excreção de glicose é determinado numa coorte de doentes com glicosúria renal familiar, submetidos a um teste de tolerância a refeição mista, durante o qual a glicémia e a excreção de glicose urinária são medidas por um período de 4 horas, de acordo com um protocolo validado.

Membros

Nutricionista, ao exercício de nutrição clínica desde 2005 em atividade assistencial nos regimes ambulatório e hospitalar. Especial interesse nas áreas da nutrição aplicada à nefrologia, medicina intensiva e gastrenterologia, tendo várias publicações com arbitragem científica a nível nacional e internacional, e comunicações orais em eventos científicos. Neste contexto participa em várias linhas de investigação. Investigadora integrada da Unidade de Investigação Comprehensive Health Research Centre –Investigação, Educação e Inovação em Investigação Clínica e Saúde Publica da Fundação para Ciência e Tecnologia. Doutorada em Ciências da Vida, ramo de Investigação Clínica, pela Nova Medical School | Faculdade de Ciências Médicas, na área de avaliação nutricional na doença hepática nos períodos pré- e pós-transplante. Exerce atividade pedagógica desde 2007; atualmente como Professora Auxiliar Convidada da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa no ensino pré-graduado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e pós-graduado (Mestrado em Nutrição Clínica).

Este estudo tem como principais objetivos a caracterização da adesão à terapia nutricional e evolução antropométrica em diferentes momentos pós-cirurgia de duas técnicas cirúrgicas distintas. Pretende-se, adicionalmente, a identificação de fatores demográficos, clínicos e/ou nutricionais associados à adesão à terapia nutricional e à prevalência de síndrome de Dumping. É quantificado o aporte proteico, a adesão ao protocolo de suplementação vitamínica e mineral e a prevalência de síndrome de Dumping, bem como a evolução dos parâmetros antropométricos pós-cirurgia bariátrica.

Membros

Nutricionista, ao exercício de nutrição clínica desde 2005 em atividade assistencial nos regimes ambulatório e hospitalar. Especial interesse nas áreas da nutrição aplicada à nefrologia, medicina intensiva e gastrenterologia, tendo várias publicações com arbitragem científica a nível nacional e internacional, e comunicações orais em eventos científicos. Neste contexto participa em várias linhas de investigação. Investigadora integrada da Unidade de Investigação Comprehensive Health Research Centre –Investigação, Educação e Inovação em Investigação Clínica e Saúde Publica da Fundação para Ciência e Tecnologia. Doutorada em Ciências da Vida, ramo de Investigação Clínica, pela Nova Medical School | Faculdade de Ciências Médicas, na área de avaliação nutricional na doença hepática nos períodos pré- e pós-transplante. Exerce atividade pedagógica desde 2007; atualmente como Professora Auxiliar Convidada da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa no ensino pré-graduado (Licenciatura em Ciências da Nutrição) e pós-graduado (Mestrado em Nutrição Clínica).

Este estudo tem como objetivo principal associar o padrão alimentar, à composição corporal e prática de exercício físico e desenvolver modelo preditor de morbilidade e/ou mortalidade em doentes em programa regular de hemodiálise. Trata-se de um estudo de coorte multicêntrico com 12 meses de follow-up.

Membros

Licenciada em Ciências da Nutrição e Mestre em Nutrigenómica e Nutrição Personalizada. Professora assistente convidada na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e professora auxiliar convidada no Instituto Universitário Egas Moniz. Exerce a função de diretora do departamento de nutrição da Fresenius Medical Care Portugal, desde 2012. Co-autora do Manual de Nutrição e Doença Renal (Associação Portuguesa de Nutrição) e do livro Alimentação & Insuficiência Renal – Guia Prático de Nutrição (Fresenius Medical Care). Encontra-se a realizar o projeto de doutoramento na Faculdade de Medicina de Lisboa – Ramo Nutrição intitulado Padrões alimentares, composição corporal e atividade física: evolução do estado de saúde de doentes em hemodiálise. Tem desenvolvido e coordenado projetos de investigação na área de nutrição na doença renal crónica, avaliação do estado nutricional e composição corporal.

Professora Associada da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML) e Nutricionista da Fundação Champalimaud. É mestre em Nutrição Clínica e doutorada em Nutrição na área da nutrigenética aplicada a doenças intestinais. 

É docente na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, atual coordenadora da Licenciatura em Ciências da Nutrição desta Instituição e membro da Comissão Científica do Mestrado em Nutrição Clínica, mantendo desde 2006 intensa atividade pedagógica junto de estudantes de licenciatura, mestrado e doutoramento da área da nutrição, mas também da área médica. Iniciou atividade clínica em 2003 mantendo desde então atividade assistencial ao doente em ambulatório. Integra desde 2015 o corpo clínico da Fundação Champalimaud.

Durante este período colaborou em diferentes projetos de investigação, tendo publicado vários artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais. Foi investigadora na unidade de nutrição e metabolismo do IMM, pertencendo atualmente ao Instituto de Saúde Ambiental.  

As suas áreas de interesse centram-se no estudo do impacto da nutrição no risco e desenvolvimento de doenças intestinais e reumatológicas. Tem procurado ao longo dos anos adquirir formação contínua, em instituições nacionais e internacionais de referência como a European Society for Clinical Nutrition and Metabolism e King's College London, School of Medicine. Atualmente é membro do Conselho Geral da Ordem dos Nutricionistas.

Laboratório de Nutrição (LN) da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), tem vido a desenvolver a sua estratégia de comunicação, passo a passo, desde meados de 2019. Após um posicionamento estratégico nas redes sociais, chegou o momento de mostrar o trabalho que vem sendo feito pelo Laboratório com uma Newsletter de edição bianual. Esta Newsletter tem como objetivo dar destaque a um tema relevante, partilhar uma opinião diferenciadora, dar visibilidade à atualidade na nutrição, mostrar aos seus leitores o trabalho desenvolvido pelo LN nos seus três eixos de ação e divulgar eventos relevantes na área.

Assim, é com enorme satisfação que lhe apresentamos a 1ª edição da Newstrition – A newsletter do Laboratório de Nutrição da FMUL.

Como a Nutrição surgiu e progrediu na Faculdade de Medicina de Lisboa

A Nutrição é fundamental na vida, tanto na saúde como na doença.

No entanto, o seu reconhecimento pelas Escolas de Medicina foi tardio e lento.

Na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), a Professora Ermelinda Camilo, cedo reconheceu a sua importância e teve uma contribuição fulcral, para que o seu Ensino fosse implementado, estruturado e reconhecido. Assim, mercê de alguma teimosia e esforço, foi criada nesta Faculdade, uma Licenciatura em Dietética e Nutrição, no ano de 2004. A intenção foi permitir a estes alunos, uma formação cultural e técnica que lhes permitisse integrar equipas multidisciplinares ou de nutrição: na comunidade, na clínica, no ensino e na investigação. Foi também criado o Mestrado em Nutrição Clínica, que decorreu entre 2003 e 2006, com bastante sucesso. Em ambos os casos foram usadas metodologias inovadoras de ensino, como o ensino baseado na resolução de problemas.

Vieram, entretanto, tempos de mudança, e uma mudança de estratégia à extinção desta Licenciatura, que formou três grupos de licenciados.

Em 2011, foi lançado um novo Mestrado em Nutrição Clínica, numa parceria muito frutuosa com a Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, onde o Laboratório de Nutrição, unidade estrutural entretanto criada na FMUL, esteve na base da sua criação, e ainda atual coordenação. Teve o seu primeiro ciclo em 2011/2013, indo já para a sua 9ª edição, sendo muito bem-sucedido em termos do número de candidatos, do número de teses finalizadas e sobretudo do sucesso profissional dos mestrandos.

Em 2018/2019, iniciou-se a Licenciatura em Ciências da Nutrição, com grande sucesso. Neste contexto foi possível trazer para a FMUL, duas professoras da área da Nutrição, Catarina Sousa Guerreiro e Joana Sousa. A sua presença veio dinamizar muito o Laboratório de Nutrição, que já existia há mais de 15 anos, inicialmente ligado ao Instituto de Medicina Molecular (IMM) e depois à FMUL. Este Laboratório que existia inicialmente com uma vertente mais ligada às áreas da Medicina afins à Nutrição, e como apoio às muitas áreas disciplinares da Nutrição que foram criadas, passou a ser muito mais direcionado à nutrição, contanto atualmente com um número muito significativo de colaboradores, sobretudo jovens nutricionistas, a realizarem investigação em diferentes áreas. Existe ainda muito trabalho a realizar, mas penso que está criada uma base sólida para que a Nutrição floresça na FMUL.

 

Helena Cortez-Pinto
Diretora do Laboratório de Nutrição da FMUL

 

Ciências da Nutrição é evolução

Atualmente, o acesso a informação é muito facilitado, e no que toca à alimentação e nutrição somos todos os dias inundados com dicas, conselhos e notícias oriundas de inúmeros sites, blogs e revistas no âmbito da alimentação. Com esta abundância de informação o maior desafio é mesmo diferenciar o que é e não credível e o que contribui e não para o conhecimento científico. Este conhecimento produzido por estudos científicos é, entre outras características, sistemático, racional e passível de ser submetido a verificação e validação. É também falível na medida em que não tem carácter definitivo, é evolutivo, o que permite melhorar a qualidade da prática profissional. Se isso não acontecesse não haveria evolução do conhecimento científico e consideraríamos, por exemplo, ainda hoje que a obesidade não é uma doença.

O nutricionista, à semelhança de outras profissões da área da saúde, deve reger-se pela prática baseada na evidência científica estando isto previsto no Código Deontológico da Ordem dos Nutricionistas. A prática baseada na evidência deve ser parte integrante na tomada de decisão e na atividade desenvolvida pelo nutricionista sob pena da deterioração e desatualização dos conhecimentos adquiridos aquando a sua formação académica base.

Segundo a definição clássica de David Sackett (1996) a prática baseada na evidência é a “utilização consciente, explícita e sensata da melhor evidência disponível no processo de decisão sobre os cuidados ao utente”. A prática baseada na evidência é uma abordagem integradora dos cuidados de saúde que contempla experiência clínica, a melhor evidência científica disponível e as características e as preferências dos utentes para tomada de decisão. Entende, ainda, que os cuidados de saúde são individualizados e em constante mudança envolvendo incertezas e probabilidades. No entanto, os entendimentos sobre a evidência e recomendações na área da saúde são complexos e por vezes, sujeitos a ideologias e crenças pessoais. Num mundo onde existem inúmeras revistas científicas sobre nutrição e alimentação que publicam por ano mais de 30 000 artigos, o que faz os resultados de um estudo mais fiável do que outro? O facto de estar publicado numa revista científica, por si só, não garante que o estudo seja de qualidade ou relevante para a prática. Existem, assim, metodologias que avaliam criticamente a qualidade dos estudos. Estas metodologias são utilizadas, por exemplo, por entidades internacionais, como a Organização Mundial de Saúde na elaboração de recomendações alimentares e nutricionais. Estas permitem a avaliação rigorosa da qualidade da evidência e da força das recomendações nos cuidados de saúde.

O facto de nos alimentarmos todos os dias não faz de todos nutricionistas. A nutrição é um fenómeno complexo e a sua relação com a saúde ainda está longe de estar completamente estabelecida. “A ciência da nutrição não é uma ciência de descobertas; é evolução, não revolução” [Jeanne Goldberg Professora da Escola de Friedman Ciência da Nutrição e Política da Universidade Tufts].

O ensino das ciências da nutrição faz-se num modelo de “banda larga” que integra as ciências biomédicas e as ciências sociais tendo como base as ciências da saúde, o que confere ao nutricionista, enquanto profissional de saúde, uma visão abrangente e integrada das ciências da nutrição, com capacidade de agregar estes múltiplos saberes em áreas que se cruzam e articulam.

É assim que deve continuar o ensino da nutrição, tal como a ciência, em evolução.

 

Alexandra Bento
Bastonária da Ordem dos Nutricionistas

 

No ensino

O combate à desinformação... através do Ensino

Ensino é o sistema e o método de instruir, seja qual for o seu público alvo. A par do progresso científico e tecnológico nas Ciências da Nutrição, também o interesse e a exigência do público nesta matéria têm aumentado, criando oportunidade para a desinformação progredir. A desinformação sobre nutrição pode provocar efeitos fisiológicos, psicológicos e económicos adversos por poder conduzir a uma falsa sensação de segurança sobre a saúde, contribuir para adiar ou substituir cuidados de saúde por produtos ou práticas prejudiciais. Vários são os agentes com um papel ativo no combate à desinformação, nomeadamente profissionais de saúde, docentes, investigadores, media, governo e consumidores. Neste sentido, a rubrica “Sexta-feira sem mitos" desmitifica ou corrobora, à luz do conhecimento científico atual, (des)informação sobre nutrição. Alimente-se de ciência!

Na investigação

Resultados “negativos” procuram-se…Na Investigação

Será que poderemos dizer que a epidemiologia e a opinião superam largamente os estudos randomizados na área da nutrição? Parece ousado, mas vamos tentar perceber.

A evidência em nutrição tenta mostrar a eficácia das intervenções nutricionais, podendo ser obtidos resultados aparentemente “negativos” (por falta de significado estatístico) tendendo, por esta razão, a não ser publicados por decisão editorial, ou mesmo por potencial conflito de interesse que levam a que o trabalho não seja sequer submetido a apreciação.

Verdade é que opções nutricionais de excelência podem também ter por base análises observacionais. Estudos observacionais não aleatórios em nutrição têm sido privilegiados face aos ensaios randomizados por estes serem difíceis de configurar por perdas por follow-up, baixa adesão, alteração de comportamentos não controlados pelos investigadores, podendo levar a que a estimativa do tamanho do efeito seja diferente do real efeito de causalidade.

Nesse cenário, resultados "negativos" provenientes de ensaios clínicos poderão ser muito mais desejáveis que resultados "positivos". Tentando explicar este aparente paradoxo, podemos dizer que muitos resultados “negativos” não são falhas em mostrar a superioridade de uma intervenção nutricional em comparação com outra, mas oferecem evidências de não inferioridade ou equivalência, o que é o mesmo que dizermos que diferentes escolhas nutricionais levam a resultados igualmente aceitáveis. E isto poderá ser considerado negativo em nutrição? Não, pode e deve ser considerado como uma boa notícia porque é melhor ter diferentes opções igualmente válidas do que apenas uma.

Por outro lado, outros resultados "negativos" poderão evidenciar que nutrientes ou dietas que pensávamos serem eficazes (baseado em estudos observacionais), afinal não o são.

Dito isto, é primordial percebermos que o ganho que obtemos com os resultados de um estudo é tanto maior quanto maior a mudança que ele cria nas nossas crenças prévias. Deste modo, o nosso ganho de informação relativa a determinado tema é superior se os resultados alcançados romperem com crenças, provavelmente falsas, do que se os mesmos vierem “apenas” confirmar que continuamos a saber aquilo que já pensávamos saber.

Na comunidade

A ciência como serviço público ... Na Comunidade

O laboratório de nutrição (LN) nos últimos 6 meses demonstrou uma presença ativa na comunidade. Marcou presença na Rota dos Laboratórios Desvendados, no evento Descobre a ULisboa, dinamizando um quiz interativo no âmbito do tema Mitos e Verdades nas Ciências da Nutrição. Promoveu também o Workshop "Cozinhar o Mundo" em colaboração com o Pavilhão do Conhecimento - Centro Ciência. E mesmo em condições mais adversas como as que temos enfrentado com a pandemia do Covid-19, o LN participou ativamente na comunidade através dos webinares:  “Alimentar o presente sem comprometer o futuro”, promovido pela Ordem dos Nutricionistas, sobre o tema "Sindemia e a Revolução necessária"; "Não há longe nem distância" promovido pelo Instituto de Saúde Ambiental - ISAMB sobre o tema "Alimentação em tempos de pandemia" e ainda "Nutrição para o coração: mitos verdades e controvérsias" em colaboração com o Centro de Reabilitação Cardiovascular da Universidade de Lisboa (CRECUL).

E-book - Desmistificar com Ciência

A gordura corporal é uma só? Devem as crianças ser vegetarianas? Posso ou não tomar o pequeno-almoço? Será que o alimento mais saudável é o biológico? A utilização do micro-ondas é segura? Será que um ovo por dia algum mal lhe faria? E agora, o óleo de coco é que é bom? Hidratos de carbono: são a principal fonte de energia, mas prejudicam a saúde?  Devemos evitar o consumo de lactose e de glúten? Estas são algumas das questões às quais pode encontrar resposta no e-book do LN lançado em outubro deste ano.

Celebrar o Dia Mundial da Alimentação é relembrar que as melhores escolhas alimentares são aquelas que se suportam pelo rigor científico. Neste sentido, para assinalar este dia, e conscientes de que o conhecimento científico é o antídoto da desinformação, o LN publicou alguns dos principais mitos e factos sobre a alimentação num e-book intitulado “Desmistificar com Ciência”. Face à situação pandémica que vivemos, é ainda possível encontrar neste e-book um capítulo dedicado à reflexão sobre a Obesidade: a pandemia que convive com a COVID-19. Para saber mais consulte este link.

Vitória Dias da Silva

O Centro de Nutrição Avançada da FMUL

O recém-inaugurado Centro de Nutrição Avançada (CNA) da FMUL é um projeto ambicioso e inovador, que tem como propósito atingir três grandes metas: promover um estilo de vida saudável dos portugueses, nomeadamente os hábitos alimentares; fomentar a literacia em saúde, nomeadamente no contexto alimentar e nutricional; estimular a investigação em nutrição. Constitui-se como uma extensão universitária e disponibiliza à população em geral e a entidades públicas e privadas, um conjunto diversificado de serviços em diferentes valências das ciências da nutrição.

O CNA é constituído por uma equipa de profissionais que possuem um vasto conhecimento e experiência dos diferentes domínios das ciências da nutrição, e que partilham de um denominador comum: um carácter inovador, dinâmico e disruptivo que lhes permite encontrar respostas personalizadas a cada situação.

O que podemos então esperar do CNA? Tudo. A equipa existe, as instalações e equipamentos de topo também, pelo que a resposta é mesmo esta. Não há limites. O CNA já presta serviços de consulta de nutrição, avaliação da composição corporal e também avaliação do gasto energético em repouso para quantificação de necessidades nutricionais. Estes serviços estão disponíveis para a polução em geral, mas também para grupos específicos da comunidade: equipas desportivas, empresas, escolas, entre outros. O CNA disponibiliza ainda o laboratório técnico-alimentar equipado com recursos também de excelência para promover o desenvolvimento de produtos que possam corresponder às exigências do setor agroalimentar, como também para desenvolver formação e workshops com cariz iminentemente prático onde a palavra alimentação é o elemento central.

Trata-se de um espaço multifuncional, único em Portugal, que aliado a uma equipa cientificamente exemplar, permite criar soluções únicas e inovadoras para os desafios de quem nos procura.

Segundo o Regime jurídico das instituições de ensino superior “As instituições de ensino superior têm o direito e o dever de participar em atividades de ligação à sociedade, designadamente de difusão e transferência de conhecimento, assim como de valorização económica do conhecimento científico”. O CNA representa isso mesmo.

A academia (e ciência) a abrir portas para a comunidade que a rodeia.

É sem dúvida um projeto de e com futuro. Venha conhecer-nos, será um prazer recebê-lo!

Catarina Sousa Guerreiro

Implementação das Especialidades da Ordem dos Nutricionistas

O Estatuto da Ordem dos Nutricionistas, no seu artigo 34º da Lei n.º 126/2015, prevê a atribuição dos títulos de nutricionista especialista em Alimentação Coletiva e Restauração, Nutrição Clínica e Nutrição Comunitária e Saúde Pública. Tratando-se de áreas clássicas da atuação dos nutricionistas, as trajetórias de diferenciação no exercício profissional foram determinantes para a sua definição como Especialidades.

O título de especialista atribuído pela Ordem dos Nutricionistas certifica que o nutricionista detém um conjunto de competências transversais e avançadas, para o exercício profissional numa determinada área. Desta forma, contribui para a promoção da qualidade do exercício profissional em diferentes áreas da nutrição e, consequentemente para o desenvolvimento profissional do nutricionista.

Note-se que a designação de especialista pode atestar situações diversas, em contextos profissionais distintos. São disso exemplo o grau de especialista da carreira de técnico superior de saúde, a categoria de especialista da carreira de técnico superior de diagnóstico e terapêutica e o título de especialista da carreira do ensino superior politécnico. Contudo, a designação de nutricionista especialista só poderá ser utilizada por aqueles que detêm a especialidade conferida pela Ordem. O nutricionista especialista disporá, portanto, de conhecimento aprofundado e proficiência nos atos praticados, na sua área de especialidade.

Produto de um processo de reflexão alargado, o Regulamento n.º 55/2019 – Regulamento Geral de Especialidades Profissionais da Ordem dos Nutricionista (RGEPON) especifica as competências e requisitos e procedimentos para a obtenção das Especialidades.

No passado dia 1 de outubro de 2020 teve início o processo de atribuição dos títulos de especialidade por equiparação. Esta é uma fase transitória, que decorre até 30 de setembro de 2021, permitindo a atribuição dos primeiros títulos e a consequente constituição dos Colégios de Especialidade. O Anexo III do RGEPON elenca os critérios para creditação, incluindo a matriz que objetiva os elementos curriculares a avaliar e respetiva ponderação. Desta forma, pretende-se uma análise, objetiva e escrutável, da adequação dos elementos curriculares do nutricionista ao perfil de competências da especialidade. Finda a fase transitória, a atribuição do título de nutricionista especialista decorrerá de um processo de especialização, que corresponde ao conjunto de procedimentos conducentes à aquisição e certificação das competências transversais e avançadas da especialidade, nomeadamente através da frequência de um curso de especialização e da prestação de provas públicas.

José Camolas

(Vice-Presidente da Ordem dos Nutricionistas)

No Ensino

Desafios de futuro no ensino da nutrição

Num universo cada vez mais competitivo em que a oferta formativa é cada vez mais diversificada, é fundamental que as instituições de ensino superior (IES) se possam diferenciar pela excelência na formação do nutricionista como profissional de saúde com uma oferta competitiva e de sucesso. É essencial perceber-se que a formação em nutrição não se esgota em si mesma e que é indispensável que a mesma acompanhe, não só a formação de base para o desenvolvimento da competência profissional, mas ao mesmo tempo a formação em continuum (Life Long Learning - LLL) para a diferenciação, especialização e excelência da prática profissional nesta área. É assente nesta visão que as IES devem encarar os desafios de futuro para o ensino da Nutrição.

O propósito e desafio base do ensino da nutrição baseia-se em alicerçar os pilares basais para o desenvolvimento da carreira do nutricionista para atingir níveis de prática profissional de excelência, mantendo-se sempre atento à aprendizagem e desenvolvimento profissional, com o foco em aumentar a capacidade de abordar questões transversais da saúde pessoal, pública e planetária.

Atribuições como a amplitude dos domínios científicos necessários para enfrentar os desafios atuais, a natureza e definição dos conceitos de mudança nas ciências da nutrição, os métodos necessários de próxima geração e desafios e oportunidades de comunicação e organização, são fundamentais existirem nas IES.

Assim, é fundamental que a formação em nutrição reavalie a necessidade de colaboração com outros domínios científicos para enfrentar com eficácia os grandes desafios; incorpore métodos inovadores e transdisciplinares, bem como a formação e as facilidades para o fazer; comunique de forma estratégica e eficaz com o público e os formuladores de políticas. Desta forma estará o ensino capaz de formar Nutricionistas com capacidades únicas e os melhor posicionados para ser a voz confiável do domínio das ciências da nutrição.

O ensino tem de moldar e aprimorar o futuro da profissão. Para isso enfrenta vários desafios para preparar profissionais que estejam bem equipados para uma prática cada vez mais diversificada; é fundamental ter uma liderança forte, colaboração académica e maior compromisso para o benefício de toda a profissão.

Mas como conseguem as IES fazer isto?

Para podermos responder à melhor estratégia à luz dos desafios do ensino da nutrição existem 4 pilares fundamentais:

Relacionados com o conteúdo e o currículo:

  1. Ensino superior personalizado
  2. foco em competências do futuro

Relacionados com a estrutura organizacional:

  1. Programas de estudo multi-institucionais
  2. aprendizagem ao longo da vida

Assim, os desafios futuros das IES no ensino da nutrição centram-se em:

  • Considerar a formação de base como o alicerce essencial para LLL;
  • Ter uma abordagem transdisciplinar da nutrição;
  • Acompanhar a evolução científica no foco da abordagem nutricional;
  • Pensar sempre ao nível individual, populacional e planetário;
  • Ajustar a cultura institucional, potenciando a liderança, a comunicação, a colaboração e a consciência digital.

Joana Sousa

Na Investigação

Ciência no LN - Retrospetiva 2020

O LN, no âmbito do seu eixo de atividade “Investigação”, apresentou um ano bastante ativo apesar das condicionantes e vicissitudes vivenciadas no ano 2020. A sua equipa exerce investigação nas mais diversas áreas, mostrando o ecletismo e o leque de competências presentes. Estas competências vão desde a nutrição comunitária até à nutrição no desporto, passando ainda por uma vertente mais clínica bastante presente na essência do LN face à sua relação e integração no Centro Hospitalar Lisboa Norte e o Centro Académico de Medicina de Lisboa.

Os membros do LN publicaram este ano um total de 16 artigos científicos (até à data de publicação desta newsletter) que abordaram essencialmente temas na área da gastroenterologia e da obesidade tanto em idade pediátrica, como em adultos. A tipologia dos estudos publicados variou largamente, sendo possível encontrar desde artigos de revisão até revisões sistemáticas com meta-análise.

Sabendo da importância que a investigação científica desempenha, o LN tem empenha-se diariamente para publicar mais e melhor, tendo deste modo inaugurado neste último semestre o Centro de Nutrição Avançada que conta não só com equipamento diferenciador e único em Portugal, como também recursos humanos de excelência para a realização de investigação de precisão com recurso a métodos vanguardistas.

Artigos:

Recent advances in alcohol-related liver disease (ALD): summary of a Gut round table meeting. doi: 10.1136/gutjnl-2019-319720.

A new definition for metabolic dysfunction-associated fatty liver disease: An international expert consensus statement. doi: 10.1016/j.jhep.2020.03.039.

Effects of Intermittent Fasting on Specific Exercise Performance Outcomes: A Systematic Review Including Meta-Analysis. doi: 10.3390/nu12051390.

Successful weight loss maintenance: A systematic review of weight control registries. doi: 10.1111/obr.13003.

Diet as a Modulator of Intestinal Microbiota in Rheumatoid Arthritis. doi: 10.3390/nu12113504.

Nonalcoholic Fatty Liver Disease versus Alcohol-related Liver Disease: Is it Really so Different? doi: 10.2174/1381612826666200122152417.

A cross-sectional study of the public health response to non-alcoholic fatty liver disease in Europe. doi: 10.1016/j.jhep.2019.08.027.

Effectiveness of Two Dietary Approaches on the Quality of Life and Gastrointestinal Symptoms of Individuals with Irritable Bowel Syndrome. doi: 10.3390/jcm9010125.

A school-based intervention for a better future: study protocol of Sintra Grows Healthy. doi: 10.1186/s12889-020-09715-0.

Champ4life Study Protocol: A One-Year Randomized Controlled Trial of a Lifestyle Intervention for Inactive Former Elite Athletes with Overweight/Obesity. doi: 10.3390/nu12020286.

Consistent sleep onset and maintenance of body weight after weight loss: An analysis of data from the NoHoW trial. doi: 10.1371/journal.pmed.1003168.

Predictive factors for long-term survival in patients with advanced hepatocellular carcinoma treated with sorafenib. doi: 10.1097/MEG.0000000000001974.

Development of RisObIn.Com, a Screening Tool for Risk of Childhood Obesity in the Community. doi: 10.3390/nu12113288.

NAFLD - sounding the alarm on a silent epidemic. doi: 10.1038/s41575-020-0315-7.

[Empowering Patients with Adequate Eating Habits in the Context of Bariatric Surgery]. doi: 10.20344/amp.13723.

Reply to: "Caveats for the implementation of global strategies against non-alcoholic fatty liver disease". doi: 10.1016/j.jhep.2020.03.017.

João Vasques

Na Comunidade

A ciência ao serviço da Comunidade

O LN nos últimos 6 meses do ano demonstrou uma vez mais uma presença ativa na comunidade. Para assinalar o Dia Mundial do Coração, fruto da colaboração com a equipa de reabilitação cardiovascular CHULN/FMUL/CRECUL, participou num vídeo promocional e comemorativo da data com mensagens da importância da alimentação na prevenção da doença cardiovascular.

Marcou presença no webinar promovido pela Fundação Champalimaud: “Tratar o doente com cancro e não o cancro do doente”, abordando mitos e realidades na doença oncológica particularmente no cancro da mama. Participou com a Confederação do Desporto de Portugal (CDP) na rubrica “CDP entrevista”, para debater o tema obesidade e desporto.

Com o intuito de desmitificar assuntos relacionados com as ciências da nutrição e assinalar o Dia Mundial da Alimentação, publicou o e-book “Desmistificar com ciência”.

Marcou ainda presença no webinar organizado pelo Público e a Multicare –“Mais prevenção mais anos de vida”.

Teve também um papel ativo na comunidade académica (estudantes universitários) com a dinamização de dois workshops, um em parceria com Projeto Mentoring da FMUL e outro com o ISCTE, sob o tema “Alimentação adequada em contexto de conteção social”.

Num mundo da tecnologia e comunicação digital, teve ainda a participação no podcast “Em Banho Maria” esclarecendo questões sobre nutrição e saúde intestinal.

Finalmente, e para fechar o ano da melhor forma dada a aproximação da celebração do Natal, em colaboração com o Chef Emanuel Cunha, recriou uma ementa de Natal no Centro de Nutrição Avançada da FMUL, tendo por base as escolhas alimentares típicas desta época tornando-as mais equilibradas do ponto de vista nutricional e ao mesmo tempo, sustentáveis, não esquecendo todos os padrões alimentares da população.

Mariana Liñan Pinto

logo Vert. lab. nutrição

Avenida Professor Egas Moniz,
Edifício Egas Moniz, ala C, piso 2
1649-028 Lisboa - Portugal

Email: lab.nutricao@medicina.ulisboa.pt

Telefone: +351 21 799 9465

 

 

 

Share
Contactos


Avenida Professor Egas Moniz
Edifício Egas Moniz, ala C, piso 2
1649-028 Lisboa - Portugal

Secretariado
Sara Ambrósio
Extensão interna: 47 237

Horário
9:00h - 17:00h

Telefone
+351 21 799 9465