Inauguração Edifício Reynaldo Dos Santos

 

Imagem do convite

O Reitor da Universidade de Lisboa, António Cruz Serra, e o Diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto J. Pinto, têm a honra de convidar toda a comunidade académica para a Inauguração do novo edifício da FMUL, o Edifício Reynaldo Dos Santos, que terá lugar no dia 16 de dezembro de 2019, às 11h00.

A Cerimónia contará com a presença de Sua Excelência O Primeiro-Ministro, António Costa e de Sua Excelência O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor

Local: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa – Edifício Reynaldo dos Santos

R.S.F.F. até 12 de dezembro  |  (+351) 217 985 109  |  relacoespublicas@medicina.ulisboa.pt

 

 

Reynaldo dos Santos, fotografia a preto e branco

Em 1880 nascia o quinto filho de um médico e neto de um barão que, sendo plebeu, alcançara o título por méritos profissionais. Reynaldo dos Santos não viria a mudar o carimbo de perfecionismo familiar, já que marcou uma época que a viveu sempre à frente do seu próprio tempo. Médico, com licenciatura tirada em 1903 na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa (antecessora da FMUL), afirmou-se na Cirurgia Geral e Urologia. O clínico que também foi acérrimo investigador, muito inspirado pelos dois anos em que percorreu os mais evoluídos Centros Europeus da Medicina, mudou de vez o paradigma do que viria a ser a Cirurgia Vascular. Em 1908 patenteou o Urorythomographo, procedimento que analisava a excreção renal; anos mais tarde desenvolveu a Aortografia e Arteriografia. Os seus métodos de estudo dedicavam-se intensivamente à circulação arterial.

Apesar de muitos anos afastado da vida académica, por defender outros ideais que não os que imperavam num país fechado e conservador, Reynaldo dos Santos foi Diretor de Serviço de Urologia do Hospital Escolar de Santa Marta, Professor Catedrático de Urologia e de Cirurgia Geral.

Foi Diretor da Faculdade de Medicina de Lisboa de 1942 a 1944.

Debateu-se sempre para que os alunos de Medicina fossem expostos à clínica logo no começo da vida académica e não apenas na fase final. O mestre inspirou discípulos e formou equipas incomparáveis.

Participou na fundação da European Society of Cardiovascular Surgery e em 1954 foi o seu Presidente. Em 1959 criou o Centro de Angiografia Reynaldo dos Santos.
Homem vanguardista, de vasta cultura, um esteta, os seus últimos anos foram passados a investigar e promover a arte portuguesa, revelando vasto conhecimento e paixão pela tapeçaria, arqueologia, pintura, ou escultura.

A vida toda foi o defensor de convicções muito próprias e livres, para que o pensamento se elevasse mais do que as regras ditadas. Homem do mundo, humanista por natureza, a sua vida mudou parte da Medicina do século XX.

Morreria em 1970 com 89 anos.