Hoje é dia Mundial da Asma
Share

Maio é o mês da consciencialização para a asma e o Dia Mundial da Asma celebra-se anualmente na primeira terça-feira do mês de maio.

A asma é uma das doenças crónicas mais comuns ao longo da vida e é reconhecida como um problema de Saúde Pública, com um enorme impacto no consumo de recursos de saúde. De acordo com o Inquérito Nacional de Prevalência da Asma de 2010, atinge 6,8% da população residente em Portugal, em todos os grupos etários. Embora seja um mito que a asma é uma doença pediátrica, efetivamente apresenta maior prevalência e morbilidade nas crianças e adolescentes, embora maior mortalidade nos idosos.

A asma é uma doença crónica frequente, heterogénea, descrita com base na história de sintomas respiratórios como sibilância, dispneia, opressão torácica e tosse, variáveis em intensidade e ao longo do tempo, associada a obstrução brônquica variável que deve ser objetivada, no mínimo, por espirometria com prova de broncodilatação.

A variabilidade dos sintomas e da obstrução brônquica podem ser desencadeadas por exercício, alergénios ou exposição a irritantes inalatórios, incluindo alterações climáticas ou infeções respiratórias virais, fármacos, poluição e fumo de tabaco.

Existem 3 enormes desafios que se colocam ao clínico relativamente à criança com asma: fazer o diagnóstico correto e revê-lo periodicamente, pesquisar e diagnosticar as comorbilidades e conquistar a criança e a família para a adesão à terapêutica e ao plano de monitorização.

Uma atenção especial deve colocar-se na identificação de fatores de risco para agudização de asma, os chamados “ataques” de asma. Um estudo efetuado no UK encontrou uma elevada prevalência de agudização de asma nas crianças em idade pré-escolar (abaixo dos 5 anos de idade), em todos os degraus terapêuticos. Em todos os grupos etários, a não adesão ao plano terapêutico foi um fator de risco para agudização.

Falar de asma em Pediatria assume particular interesse porque se adiciona ao desafio diagnóstico, uma enorme variabilidade de apresentação, especialmente atendendo aos grupos pré-escolar e adolescente, aos diagnósticos diferenciais, que podem mimetizar ou ser erradamente diagnosticados como asma.

Neste ano de 2021, a Organização Mundial de Saúde (PMS), através da Global Initiative for Asthma (GINA), definiu como prioridades tratar dos equívocos comuns da asma que incluem:

  1. A asma é uma doença da criança e que resolve com a idade;
  2. A asma é uma doença infecciosa;
  3. Quem sofre de asma não deve fazer exercício;
  4. A asma só é controlável com corticosteroide em doses elevadas.

A verdade é que:

  1. A asma ocorre em qualquer idade (crianças, adolescentes, adultos e idosos);
  2. A asma não é infeciosa. No entanto, infeções respiratórias virais (como constipação e gripe) podem desencadear agudização de asma. Na criança, a asma está frequentemente associada a alergia. Quando se inicia na idade adulta, a asma é menos frequentemente alérgica;
  3. Na asma bem controlada, a pessoa com asma é capaz de fazer exercício, e até praticar desporto de alta competição;
  4. A asma é mais frequentemente controlável com corticosteróides inalados em baixas doses.

O plano de terapêutica e monitorização da asma tem como objetivos maiores, o controlo dos sintomas e a redução do risco de agudizações, de obstrução brônquica progressiva e de efeitos adversos dos medicamentos e o diagnóstico e controlo de comorbilidades. A terapêutica de controlo inclui a farmacológica, efectuada por degraus, que exigem uma avaliação precisa da doença e do doente, e a terapêutica não farmacológica, que inclui o controlo ambiental, atividade e exercício físicos e a dieta.

Por último não esquecer que, para além de rever os sintomas de asma e o tratamento, deve avaliar-se periodicamente se o diagnóstico de asma se mantém apropriado ao longo do acompanhamento clínico e atualizar, em cada consulta, o plano de ação terapêutico.

mulher com cabelo branco e óculos

Teresa Bandeira, Pediatra, MD, PhD

Unidade de Pneumologia Pediátrica;

Serviço de Pediatria. Departamento de Pediatria, HSM, CHULN

FM-UL, CAML

jornal

Bibliografia consultada:

https://ginasthma.org/wad/

https://www.cdc.gov/asthma/world_asthma_day.htm

Hoskins G, McCowan C, Neville RG, et al. Risk factors and costs associated with an asthma attack. Thorax 2000; 55:19-24.

Programa Nacional para as Doenças Respiratórias. DGS