Adeus Professor Carlos Ribeiro
Share

senhor de óculos a sorrir

Morreu Carlos Ribeiro, médico cardiologista e professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, a mesma Faculdade onde entrou em 1951 e da qual anos mais tarde viria a ser presidente do Conselho Científico.

Especializou-se em Cardiologia e tirou 20 valores no seu Doutoramento. Cedo percebeu que a mesma doença (a coronária) devia ser tratada de diferente forma consoante o doente, defendia que era importante saber olhá-lo, dedicar-lhe tempo. Afirmava que "a circunstância de cada doente é muito difícil de explicar ao outro", comparando-a à ética que dizia não se explicar, "ensina-se pelo exemplo de uma geração, mas não se transmite, exclusivamente, em cursos".

senhor de óculos e fato

Diretor do Serviço da Unidade de Tratamento Intensivo para Doentes Coronários (UTIC) no Hospital de Santa Maria, Carlos Ribeiro foi convidado de honra nos 50 anos da UTIC, cerimónia comemorativa onde esteve presente a atual Ministra da Saúde, Marta Temido.

aula magna com projeção
Esq para Dta: Miguel Guimarães, Carlos Neves Martins, Marta Temido, Fausto Pinto e Carlos Ribeiro

 

Responsável pela revolução na UTIC facilitou a criação de uma base de dados com 6000 doentes e sistematizou todos os parâmetros clínicos, traçando o perfil exato do enfarte do miocárdio, desde o diagnóstico até à aplicação dos seus tratamentos. Seria ainda o autor da internacionalização desta Unidade, graças a um vasto número de artigos de investigação publicados em revistas científicas nacionais e estrangeiras

Bastonário da Ordem dos Médicos entre 1996 e 1999, foi mandatário nacional nas duas candidaturas do atual Bastonário, Miguel Guimarães que já declarou o seu “pesar público diante desta que será sempre uma morte prematura”.

 

dois senhores em pé de fato
Atual Bastonário Miguel Guimarães e Prof. Carlos Ribeiro

 

Carlos Ribeiro foi ainda membro da Comissão Nacional de Ética para as Ciências da Vida (1996-1999) e do Conselho Económico e Social da União Europeia(1998-2006).
Publicou mais de 300 artigos científicos e assumiu vários cargos de renome nacional e internacional: presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e vice-presidente da Sociedade Europeia de Cardiologia, membro da Comissão Nacional de Ética para as Ciências da Vida e do Conselho Económico e Social da União Europeia.

senhor de óculos e fato

médico de bata e óculos

 

Recebeu as Medalhas de Mérito da Sociedade Europeia de Cardiologia e de Ouro dos Serviços Distintos do Ministério da Saúde, assim como a Medalha de Honra do Comité Económico e Social da União Europeia. Foi condecorado com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

Numa entrevista dada há cerca de dois anos, à Faculdade de Medicina, explicou que o órgão estimulado pela eletricidade que vem do sistema nervoso central e que tem uma bateria própria, mesmo fora do corpo, continua a conseguir bater. Órgão superdotado, ensinou ainda que “o coração encontrou nos poetas protagonistas que sobrecarregaram a Cardiologia, porque falam dele como o centro dos sentimentos”.

Homem de família deixa 7 filhos e 16 netos.

O Professor do coração nasceu em 1926 no Seixal, no distrito de Setúbal e morreu hoje, dia 20 de novembro com 95 anos de uma existência marcante para tantos.

A Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa lamenta profundamente dar a notícia desta perda e agradece tudo o que o Professor fez pelo ensino e o coração dos portugueses.

O coração do nosso Professor parou. E o nosso fica agora mais triste de o ver partir. A toda a sua família as nossas mais sentidas condolências.

 

senhor de óculos a sorrir

 

Recordamos o vídeo de celebração da UTIC, a  Unidade de Cuidados Intensivos para Doentes Coronários, nos seus 50 anos e a  nossa última entrevista ao Professor:

https://www.medicina.ulisboa.pt/newsfmul-artigo/89/quanto-tempo-uma-crianca-no-olhar

 

https://www.youtube.com/watch?v=lGCNhRAjN2I